Central Carapina amanhece com escolas e postos fechados e sem ônibus após dia de tiros e morte na Serra, ES

Além disso, a Companhia de Transportes Urbanos da Grande Vitória (Ceturb-GV) informou que as linhas de ônibus estão operando somente até a entrada do bairro.


As unidades de saúde e escolas de Central Carapina, na Serra, Grande Vitória, amanheceram fechadas na manhã desta quarta-feira (21), após o confronto entre policiais e suspeitos armados, que resultou em troca de tiros e na morte de um jovem.
Além disso, a Companhia de Transportes Urbanos da Grande Vitória (Ceturb-GV) informou que as linhas de ônibus estão operando somente até a entrada do bairro.
O confronto aconteceu durante o cumprimento de um mandado de prisão, na tarde desta terça-feira (20). Deuzimar Lucas Cunha, de 18 anos, que, segundo a polícia, era suspeito de homicídio, acabou morto. Ele estava com uma pistola ponto 40.
O alvo da Polícia Civil era Paulo Sergio de Oliveira, de 25 anos, que possui cinco mandados de prisão, mas ele acabou fugindo.
A Polícia Militar informou que o policiamento segue reforçado nesta quarta-feira (21), por meio de policiamento ostensivo e também operações rotineiras que acontecem sempre na região.
“Com a nossa presença, a situação ficou mais tranquila, apesar de não ser totalmente normal. O comércio está fechado, escolas e posto de saúde permanecem fechados, até porque os criminosos efetuaram disparos contra o transformador de energia e grande parte do bairro está sem energia elétrica", falou o capitão Maurício Alessandro Pinto, comandante da 1ª Companhia do 6º Batalhão.
Ele destacou que a polícia vai ficar no local até a situação se normalizar. "Pela nossa experiência, a gente espera que amanhã já esteja normalizado, mas vamos ficar aqui o tempo que for necessário", disse.
A concessionária de energia elétrica EDP informou que a energia foi restabelecida no bairro na tarde desta quarta-feira (21).

Protesto

Depois da morte, moradores jogaram pedras e quebraram o vidro de três viaturas da Polícia Civil.
Os manifestantes queimaram pneus, colchões e pedaços de madeira. Mas, de acordo com policiais que estavam no local, o trânsito não chegou a ser interrompido.
A Polícia Rodoviária Federal (PRF) também esteve nas entradas do bairro Central Carapina para evitar que um novo protesto bloqueasse a BR-101. Quem tentava entrar no bairro de carro era orientado a voltar.

Secretaria da Segurança

O secretário da Segurança, André Garcia, trata o fato como uma eventualidade e pediu para que as unidades de sáude, escolas, comércio e transporte funcionem normalmente no bairro.
"Nós tivemos uma ocorrência porque a polícia estava trabalhando, cumprindo mandados de prisão. Ninguém chegou para promover desordem, pelo contrário. Eventualmente acontecece esse tipo de reação", explicou.

Fonte: G1 / ES

Postar um comentário

0 Comentários