Policias vão monitorar 198 km das divisas do Espírito Santo com Rio e Minas


Policiais do Espírito Santo vão monitorar as divisas com os Estados do Rio de Janeiro e Minas Gerais a partir da próxima quinta-feira (22). Segundo a Secretaria de Estado da Segurança Pública e Defesa Social (Sesp), 130 militares e civis, além de 20 policiais rodoviários federais vão monitorar diariamente 198 km de rodovias em oito pontos de bloqueios, sendo um deles a BR 101.
O secretário estadual de Segurança Pública, André Garcia, divulgou no último dia 16 umplano de contingência para defender a divisa capixaba com o Rio de Janeiro, caso haja migração criminal devido à intervenção federal na segurança pública no estado vizinho, decretada pelo presidente Michel Temer. Ele frisou que se trata algo preventivo e não há motivos para alarde.
“Nós vamos monitorar 198 km da divisa Rio, Minas e Espírito Santo. Ou seja, em toda a divisa já se iniciou o processo de monitoramento de inteligência, levantando pontos sensíveis, e indicando como deve ser o planejamento que está sendo anunciando hoje para resguardar a integridade das nossas divisas”
André Garcia disse que por mês serão 760 homens atuando nas divisas, em 40 viaturas por dia, e também utilizando helicópteros três drones. A operação é uma parceria entre a Companhia Independente de Missões Especiais (Cimesp); Batalhão de Polícia Militar Ambiental (BPMA); Regimento de Polícia Montada; Companhia Especializada de Operações com Cães e forças táticas.
Também estarão atuando as companhias independentes das regiões, o Grupo de Operações Táticas (GOT), além das delegacias de Tóxicos e Entorpecentes (Deten), Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Furtos e Roubos de Veículos (DFRV), Segurança Patrimonial e Repressão aos Crimes Eletrônicos (DRCE).
“É um trabalho que leva em consideração todas as possibilidades de uma eventual vulnerabilidade nas nossas divisas. A lógica é empregar esses homens em horários de folgas. Estamos pagando diárias em alguns casos, com indenizações de serviço operacional extra, sem prejuízo para alguma área”.
O secretário disse que não há relação entre a operação e os recentes acontecimentos da explosão de um banco na Avenida Santa Leopoldina, em Coqueiral de Itaparica, Vila Velha, e do confronto no bairro Central Carapina, na Serra.
“Não tem condições de em três ou quatro dias se fazer uma operação com essa complexidade logística num banco, saindo do Rio de Janeiro fugido para atuar no nosso Estado. Essas são ações que já planejamos há algum tempo e estamos determinados a descobrir quem praticou esse crime. A quadrilha eventualmente pode ser de fora do Estado, tudo indica que seja. E serão identificados e presos. Em Central Carapina foi uma reação à atuação da polícia, que foi cumprir mandados de prisão contra homicidas e traficantes. Estamos lá presentes para garantir a normalidade”.
André Garcia se reúne na quinta (22) com o ministro da Justiça e Segurança Pública, Torquato Jardim, em São Paulo, para apresentar o plano de contingência e pedir a reintegração de policias rodoviários federais cedidos ao Rio de Janeiro, para que eles reforcem a operação.
“Pretendemos que eles atuem na região de divisa, exclusivamente. Também vamos apresentar esse plano de contingência junto aos secretário de São Paulo e Minas Gerais, e consolidar as nossas ações de inteligências. Precisamos ter informações em tempo real do que está acontecendo no Rio de Janeiro”.
A operação está prevista para durar dois meses e meio, podendo se estender, e vai custar cerca de R$ 2,5 milhões.
Fonte:ESHOJE

Postar um comentário

0 Comentários